Um Olhar Crônico Esportivo

Um espaço para textos e comentários sobre esportes.

<

sexta-feira, novembro 07, 2008

Treinando contra “bomba suja”





O post sobre as Olimpíadas 2016 provocou alguns comentários interessantes, inclusive por e-mail (é melhor postar aqui mesmo no blog como “anônimo”; basta colocar a identificação no próprio texto). Ia responder aos comentários, em especial do M Pena, mas creio que é mais prático transformar a resposta, ampliada, num novo post, que é o que segue.


Tóquio: mais de mil componentes do Exército, Marinha, Guarda-Costeira, unidades de salvamento e policiais, foram envolvidos num exercício anti-terrorista.

O cenário indicava um atentado com uma bomba nuclear “suja” num centro de conferências da metrópole japonesa.

O que é uma bomba “suja”?

É o grande temor de todas as forças anti-terroristas do mundo, em especial americanas e japonesas. Trata-se de um artefato de produção relativamente fácil, pois, em síntese, é uma bomba convencional de alto poder explosivo rodeada por material radiativo de fácil e rápida dispersão. O césio-237 abandonado de aparelhos de raios-x, por exemplo, que contaminou terrenos e pessoas em Goiânia, se estivesse numa bomba poderia contaminar milhares de pessoas de uma só vez, com efeitos catastróficos. Há materiais radiativos muito mais poderosos que o césio, de aquisição relativamente fácil.

Esse exercício japonês está inserido no programa de capacitação de Tóquio para sediar os Jogos Olímpicos de Verão de 2016.
Tóquio, uma cidade extremamente segura para qualquer pessoa, simplesmente quer ser considerada a cidade mais segura do mundo e considera isso como um ponto importante na definição da sede olímpica de 2016.



Obama por Chicago...
Segurança por Tóquio...



E pelo Rio de Janeiro?

O exemplo do Pan, infelizmente, não é boa referência para nada.

A mim agradaria muito ver uma Olimpíada no Brasil. Seria algo esplêndido, sem a menor dúvida. Recentemente, membros do Comitê RJ estiveram no Morumbi e o São Paulo F.C. integrou-se ao esforço olímpico, pois o estádio foi colocado como sede de um dos grupos do futebol masculino e feminino, até porque, muito provavelmente, já teria sido o estádio de abertura da Copa 2014. Entretanto, por mais que me esforce, é difícil imaginar um trabalho realmente sério e que traga benefícios à cidade do Rio de Janeiro e ao país, ainda mais tendo em vista o recente exemplo dos Jogos Pan Americanos e seus equipamentos não utilizados ou, alguns, de maior sorte, subutilizados.


Acompanhando o que fazem as confederações de esportes olímpicos, fica difícil acreditar que essas entidades venham a formar atletas de bom nível em grande quantidade, só porque teremos uma Olimpíada entre nós. Hoje, depois do que se andou sabendo, não acredito nem na CBDA – Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos.


Os custos estimados para Londres 2012 tem crescido, em especial depois do Crash 2008, mas não há gritaria na Inglaterra por conta de aumentos absurdos como tivemos no Brasil. Um estádio pular de 80 para 380 e o custo dos jogos como um todo pular de 650 para 3,7 bilhões, é o tipo de coisa que soa como impensável em qualquer país.


Enfim, não acredito em Jogos Olímpicos entre nós tão cedo.
Gostaria de acreditar, mas não consigo.
Independentemente de ser Rio de Janeiro, São Paulo ou Brasília, não importa, é tudo Brasil e é difícil acreditar, basicamente por causa das pessoas que deveriam fazer isso acontecer e acontecer bem.

Quando, recém-terminados os jogos de Pequim, vemos a eleição do COB, falar mais o que?




Copa do Mundo pode?

A realização de uma Copa do Mundo de Futebol, por outro lado, é mais simples e muito mais factível. Claro, custará caro, já sabemos, mas ainda assim bem menos que uma Olimpíada.

Não custa lembrar que, em 1972, com relativamente poucos problemas, realizamos uma quase Copa do Mundo, com sedes em diferentes pontos do país. Na época, montanhas de dinheiro foram gastas em estádios super-dimensionados, ao gosto do Brasil Grande e do milagre econômico.

Para 2014, apesar dos inevitáveis gastos que ocorrerão, sou (relativamente) otimista e acredito que o custo será bastante interessante para o país, pois boa parte da estrutura esportiva será privada, como os estádios de São Paulo, Porto Alegre e Curitiba, caso essas venham a ser escolhidas como cidades-sede.
Estádios públicos, como os do Rio de Janeiro e Belo Horizonte, irão consumir recursos, mas serão, como já são hoje, intensamente utilizados e retornarão seus custos aos cofres públicos. Uma Copa está mais perto de já estar pronta, essa é a diferença, e provavelmente, tirando alguns estádios, os investimentos serão melhor aproveitados por toda a população.




Pensando nos Jogos Olímpicos, na Copa do Mundo, nas hidrelétricas, nas pontes, nos viadutos, nos “palácios” das Justiças – lembrem do Lalau – não deveríamos treinar desde já contra o “dinheiro sujo”, nossa versão nativa aterrorizante das “bombas sujas”?


.

Marcadores:

15 Comments:

  • At 3:23 PM, Anonymous Maurício Pena said…

    EMERSON, EMERSON, EMERSON...

    Meu caro e bom EMERSON,

    Desculpe-me o fato de ser chato. Eu sei que o sou. Chato até demais e, como sou "MACACO VELHO", fui pesquisar no excelente OLHAR CRÔNICO ESPORTIVO, em edições de ANTANHO, e pude confirmar o PORQUÊ do seu "zelo patriótico e preocupação com a lisura" (hehehehe) dos gastos com uma possível realização das Olímpíadas Rio 2016. E, chato contumaz que sou, me arvoro ao direito de transcrever um pequeno texto do seu blog (OCE) de 02/09/2006 - baseado na escolha do Rio pelo COB em detrimento a Saõ Paulo - sob o título "ESTELIONATO OLÍMPICO":

    "Do jeito como foi feito, eu me sinto esbulhado em meu sonho.
    A cidade de São Paulo foi esbulhada.
    O povo de São Paulo foi esbulhado.
    Isso nada mais foi que um estelionato olímpico.
    Mais um."

    Quer dizer que se fosse em São Paulo POOOOODIIIIAAA, né? Mas no Rio haverá roubo, né??
    Mas não se esqueça que o TRT do LALAU foi aí em São Paulo. Os RIOS DE DINHEIRO desviados nas gestões do Maluf com suas obras faraônicas e também na do Celson Pitta, também foram em São Paulo, né?

    Meu caro EMERSON, não fique chateado com isso. Eu respeito e MUITO as suas opiniões, mas meu caro LARGA ESSE BAIRRRIIIIIIMO QUE TE IMPEDE DE CRESCER... HAHAHAHAHAH

     
  • At 3:56 PM, Blogger Emerson said…

    Hummmmm...

    Isso não é ser chato, Maurício, e não me incomoda.
    Não renego nada que escrevo, mesmo quando mudo minha opinião por força de novas informações, pois escrevo o que acredito, e o que a gente acredita não deve ser renegado, desde que não acreditemos em crimes contra a humanidade, claro.

    Gostaria, porém, que você tivesse transcrito todo o meu post e não somente essas frases finais, impactantes. Como você não o fez, faço eu:

    “O COB – Comitê Olímpico Brasileiro – aprovou ontem, em sua Assembléia Geral, a indicação da cidade do Rio de Janeiro como candidata a sediar os Jogos Olímpicos de 2016.
    Não houve um processo seletivo.
    Não foram realizadas consultas.
    Simplesmente, o COB decidiu.
    Ah, sim, contrataram uma empresa de consultoria que fez um estudo a respeito, concluindo ser a cidade do Rio de Janeiro a única em condições, no Brasil, de organizar grandes eventos esportivos.
    Já por ocasião da escolha da cidade-candidata aos jogos de 2012, houve muita contestação aos critérios e mesmo aos eleitores. A maioria das federações esportivas mantém sede no Rio de Janeiro. A maioria dessas federações tem baixíssima representatividade, isso quando tem alguma. No item transparência o único resultado que se encontra é o nulo. Ela inexiste desde o COB até a mais pobre das filiadas, passando pela poderosa Confederação Brasileira de Vôlei, da qual é egresso o presidente do COB.
    Qualquer cidade brasileira – Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Recife, Curitiba, Xiririca do Norte, Xiririca do Sul – e seus habitantes, brasileiros pagadores de impostos e iguais em direitos, tem todo o direito de pleitear a indicação para ser sede de uma Olimpíada. A candidatura é livre, a escolha deve ser feita a partir da avaliação da capacidade e das condições da cidade e do estado (que deve estar junto no pleito) em abrigarem, organizarem, realizarem os Jogos Olímpicos.”


    Depois vêm as frases que você transcreveu.

    Não mudo uma só vírgula.
    Tudo isso continua verdadeiro ou mais verdadeiro ainda, se isso é possível.
    Basta pensar na recentíssima reeleição do Sr. Nuzman. Mais uma, diga-se de passagem. Tão esdrúxula foi dessa feita, que até mesmo algumas confederações, com queixas de ordem, digamos, participativa, botaram a boca no trombone.

    Que credibilidade tem esse pessoal para decidir alguma coisa?
    Para mim, nenhuma.



    Não escrevi nesse post que você citou, mas escrevi em algum lugar, talvez até fora do Olhar Crônico Esportivo, que eu era totalmente a favor de Jogos Olímpicos e Copa do Mundo no Brasil, desde que fossem conduzidos por uma comissão com membros de destaque da sociedade civil, sem ligações de nenhum tipo com as estruturas estabelecidas nas pirâmides de poder do esporte olímpico e do futebol.

    Mero sonho, claro, delírios de tardes primaveris, nada mais.

    O Pan veio e se foi, deixando em sua esteira essa montanha de dinheiro “investido” e uma montanha de suspeitas. Ontem, dia 6 de novembro, o Ministério do Esporte enviou relatório com mais de 1.000 páginas para o TCU, justificando as disparidades orçamentárias.

    Estou confortável com a Copa 2014.
    O dinheiro que a cidade de São Paulo colocará para a realização desse evento será na forma de nova via de acesso ao bairro em que está o Estádio Cícero Pompeu de Toledo, cujo entorno tem uma densidade populacional já bastante elevada, e ainda maior de trânsito de veículos. O Metrô já tem a estação São Paulo/Morumbi projetada há muito e em obras, como parte da expansão normal da rede. Ou seja, em São Paulo a Copa não vai comer dinheiro público à toa.

    E no resto do Brasil?

    Paradoxalmente, apesar de todas as críticas à CBF e ao seu presidente, sou forçado a reconhecer que, até o presente momento, ele vem cumprindo à risca o que disse há dois anos: faremos a Copa sem dinheiro público – exceto, naturalmente, em melhorias que servirão à toda a população, como vias de acesso e cuidados com segurança.

    O processo de escolha da cidade do Rio de Janeiro é passado.
    Hoje, assim como desde 2006, ela é a candidata oficial do COB, único órgão brasileiro capacitado pelo COI a apresentar uma candidatura.
    Tudo normal, tudo certo, não adianta dar murros em ponta de faca.
    Mas os exemplos do Pan estão vivos e presentes.
    A “transparência” do COB não alcança sequer seu processo eleitoral com ‘meia dúzia’ de eleitores, vários dos quais desconheciam a eleição.

    É assim, Maurício, que vamos fazer uma Olimpíada na Terra de Vera Cruz?

    Sorry, mas duvido.

    Entretanto, se der uma zebra e o Rio for escolhido, evidentemente participarei do que for possível, serei, se na época tiver saúde para tanto, voluntário em alguma coisa. Mas lutarei o máximo que for possível pela rigorosa fiscalização de tudo, sabendo de antemão que será uma luta inglória.

    E quanto ao que você falou em “formação de atletas”, bom, é outro sonho, infelizmente.
    O basquete brasileiro que o diga.

     
  • At 4:21 PM, Anonymous Maurício Pena said…

    Falou EMERSON, não poderia esperar outra coisa de você que não fosse o engajamento no caso do Rio ser escolhido.
    E quanto a mudar de opinião, cito Raul Seixas: "Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter uma velha opinião formada sobre tudo..." hehehehehe

    Mas não vamos ser ingênuos ao ponto de achaar que a INICIATIVA PRIVADA vá bancar as Olímpádas nem aqui nem em qualquer parte do mundo e nem vamos acreditar que nos países desenvolvidos não há SUPERFATURAMENTO, FALCATRUAS e outras BANDALHEIRAS...

    As SAFADEZAS aqui no Brasil não são LOCALIZADAS NO RIO DE JANEIRO e não ocorreram só no PAN. Assim como eu citei acima o TRT de S.Paulo, o Maluf e em outros ESTADOS e CIDADES também...
    O melhor a fazer é ficar atento e denunciar ao Ministério Público aos TCE's e TCU e torcer para dar TUDO CERTO.
    Vamos lembrar que NENHUMA CIDADE OU ESTADO DESSE PAÍS está IMUNE a falcatruas até mesmo porque MUITAS das empresas que SUPERFATURARAM no PAN FDO RIO são aí de SÃO PAULO, né?????

     
  • At 4:24 PM, Anonymous Maurício Pena said…

    Completando, eu não TRANSCREVI o post de 02/09/06 por achar que ia OCUPAR MUITO ESPAÇO. Não foi minha intensão apenas PINÇAR algumas frase para DESVITUAR O SENTIDO DO TEXTO. Jamais faria isso. Até mesmo porque, qualquer um poderia acessar a fonte (e eu cite o dia do post).

     
  • At 4:27 PM, Anonymous Maurício Pena said…

    Completando mais uma vez (é ser muito chato, né?),
    quando eu escrevo em CAIXA ALTA não estou GRITANDO, é apenas um HÁBITO de REALÇAR determinadas palavras ou expressões para dar mais ÊNFASE ao que digo.

     
  • At 4:31 PM, Anonymous Maurício Pena said…

    Mais uma vez (é de irritar qualquer um, né?), se até os BANCOS do EUA estão precisando do DINHEIRO PÚBLICO, seria uma UTOPIA imaginar que obras e construções para o ESPORTE OLÍMPICO possas ser realizadas com DINHEIRO PRIVADO. Isso até faz-me rir...hehehehe

     
  • At 5:10 PM, Blogger Emerson said…

    Não há problema no uso do dinheiro público em determinadas circunstâncias e obras.
    Mas há problemas com o preço que embute a corrupção.

    A corrupção é um mal nacional, de norte a sul, leste a oeste, não há lugar isento.

    Estou feliz por SP por causa do Morumbi, claro. Além disso, Serra e Kassab vêm fazendo gestões limpas. Claro, como sempre, até prova em contrário, mas eu acredito e confio neles.

    Há coisas já entranhadas no dna tupiniquim. É assustador saber que o custo/km do Metrô da Cidade do México, com seus terremotos assustadores, é muito inferior ao custo do metrô paulistano por quilômetro.

    Isto é Brasil.
    Todo ele.

     
  • At 5:21 PM, Anonymous Maurício Pena said…

    Relendo o seu post (toda vez que se relê um texto se percebe alguma coisa que não tínhamos visto antes), me passou que você tenha falado da SEGURANÇA DE TÓQUIO em em vista de que se acha que o RIO É MUITO VIOLENTO. Estarei certo? Que irônica sutileza EMERSON...Precisava disso??? hehehehehe
    Quanto à insegurança do Rio que não é menor do que em São Paulo (é só uma constatação), devemos lembrar que o Rio sediou um grande evento mundial em 1992 (Eco 92), em que vários estadista de várias partes do mundo estiveram presentes e não lembro de haver ocorrido nenhum ATO TERRORISTA ou ALGO QUE O VALHA. A presença do exército nas ruas garantiu a segurança em todos os dias do evento.

     
  • At 5:43 PM, Anonymous Maurício Pena said…

    É EMERSON, a corrupção é uma mal nacional e eu diria até que INTERNACIONAL. Só que no Brasil chega a ser ALARMANTE. Eu não sei qual a ATUAL posição do Brasil no ranking da CORRUPÇÃO mas, por INCRÍVEL QUE PAREÇA, tem pelo menos uns 20 na nossa frente. hehehehe è mole ou quer mais ????

     
  • At 5:47 PM, Anonymous Sidney said…

    Mauricio,

    Depois dá uma olhada no post anterior que argumentei algumas coisas em relação a sua resposta... Acho que vc está levando as coisas muito para o lado do bairrismo. Independente de ser no Rio, SP, Curitiba, BH ou qualquer outra cidade, o Brasil não está pronto para uma Olimpíada. Seja em infraestrutura, segurança ou nível do esporte brasileiro... Quando estivermos prontos, assim como o Emerson eu apoiarei e até ajudarei no que for possível, independente da cidade onde esteja sendo realizada...

     
  • At 9:48 AM, Anonymous André Monnerat said…

    É bom dizer que o novo prefeito do Rio, Eduardo Paes, está criando uma "secretaria especial" pela Olimpíada e Copa do Mundo. E quem é o secretário escolhido?

    Trata-se de Ruy César, o mesmo que esteve à frente dos trabalhos para o Pan durante o governo de César Maia.

    Devem estar todos satisfeitos com o que foi feito então para o "Pan do Brasil", presumo eu.

     
  • At 1:04 PM, Anonymous Maurício Pena said…

    Sidney,

    Depois de ler (você leu?) o post de 02/09/08 do EMERSON você me diz que EU estou sendo BAIRRISTA???? Eu nem discuti se as Olimpíadas deveriam ser no Rio ou em São Paulo...O Rio se candidatou e está entre as 4 escolhidas, isso é fato. Agora dizer que eu sou BAIRRISTA por querer que as Olimpíadas aconteçam é fazer uma leitura TOTALMENTE EQUIVOCADA do que eu escrevi. Eu gostaria que você e o André Monnerat me dissessem quais as empresas que participaram da construção das obras do PAN. Taí, tá LANÇADO O DESAFIO. Vamos ver quantas são do Rio e quantas são de São Paulo.

     
  • At 1:19 PM, Anonymous Maurício Pena said…

    Sidney,
    fui lá no outro post e li seu comentário. O que você pondera é mais do que RAZOÁVEL. Mas volto a dizer que, sendo realizada aqui no Brasil, haveria um grande esforço dos governos (federal, estadual e municipal) em preparar atletas de ALTO NÍVEL para DISPUTAR MEDALHAS. Isso, SIDNEY, não se daria só no RIO. Haveria grande investimento em pólos esportivos por TODO O BRASIL. Pelo que eu sei, existem pólos esportivos em VÁRIAS PARTES DO BRASIL. A ginástica olímpica no Paraná, o vôlei em Saquarema no RJ, no Amazonas também tem, no nordeste etc... Sendo realizada no Brasil, COM CERTEZA haveria grande INCREMENTO nesses pólos além da crização de outros. Agora, se você está preocupado porque as instalações das Olimíadas ficarão no RJ e não espalhadas pelo Brasil, acho que você é quem está tendo um posicionamento bairrista (sem querer agredir).

     
  • At 6:24 PM, Blogger Emerson said…

    Acho que as colocações sobre bairrismo são equivocadas.
    Isso ficou para trás.

    Corrupção é questão nacional e ocorre em todo o país.

    Não só a corrupção, mas também uma certa mania de deixar tudo rolar, deixa tudo como está pra ver como é que fica, um acomodamento excessivo e doentio com malfeitos diversos.

    Gostei de assistir ao Pan, tive vontade de ir ao Rio ver algumas provas hípicas, mas não foi possível, infelizmente.
    Mas não gostei de saber dos problemas com o beisebol, por exemplo, assim como foi profundamente lamentável a situação do ginásio para o futsal em Brasília, tanto quanto foi de chorar ver o Ginásio do Ibirapuera com goteiras no Mundial de Basquete Feminino.

    A imprensa hoje segue repercutindo os problemas com a distribuição de dinheiro da Lei Piva entre as confederações.
    Como pode o COB dar meio milhão para esportes no gelo e mais meio milhão para esportes na neve?

    O que representam essas duas confederações?

    Isso é só um exemplo.

    Não há, praticamente, formação de atletas pelo Brasil.
    Há casos isolados, um aqui, outro ali. Não há preocupação com a massificação, mas as confederações adoram construir centros pra isso, centros praquilo.

    O maior berço de atletas do Brasil é sistematicamente ignorado pelas diversas confederações: falo dos Jogos Abertos do Interior, que nesse ano reunirá perto de 20.000 atletas.

    Temos a síndrome do palácio em meio aos barracos.
    Tal como a Justiça do Trabalho, por exemplo, abrigada em luxuosos e carésimos prédios, enquanto a justiça propriamente dita, sem o rótulo de trabalhista ou militar ou coisa que o valha, é mal e porcamente acessível e disponível para quem não tem rios de dinheiro.

    Bairrismo é bobagem, nosso problema é o brasileirismo, mesmo.

    :o)

     
  • At 10:18 AM, Anonymous Maurício Pena said…

    Belas e sábias palavras EMERSON.
    A malversação do dinheiro público é um mal MUNDIAL e que, em países emergentes como o nosso, toma proporções alarmantes. Acho que eu, você e o SIDNEY pensamos mais ou menos a mesma coisa com pequenas discordâncias qual seja se é a hora adequada para realizarmos uma Olimpíada aqui no Brasil. Concordamos em que deve haver um incremento no estímulo à prática dos esportes olímpicos e que absurdos como esse de se destinar meio milhão para esportes na neve ou de inverno são um DESPROPÓSITO e devem ser combatidos a qualquer custo.
    Eu acho que muita coisa precisa ser feita no Brasil, isso é ponto pacífico. EU concordo plenamente e que fiquemos alerta para denúncias (se é que isso vale alguma coisa). VOCÊ me parece que concorda, mas está temeroso que se repitam DISTORÇÕES como as que houve no PAN e o SIDNEY acha que ainda é cedo para realizarmos uma Olimpíada e que os esforços deveriam se concentrar em FOMENTAR CENTROS DE TREINAMENTOS por todo o Brasil para produzir uma gama de atletas de ponta para aí então pensarmos em realizar uma competição desse nível.
    Eu penso que uma Olimíada aqui no
    Brasil seria o EMPURRÃO que falta para que os brasileiros de um modo geral se preocupem mais em praticar à vera esportes olímpicos. Acho que o momento é esse, mas RESPEITO e MUITO qualquer opinião divergente.

     

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home