Um Olhar Crônico Esportivo

Um espaço para textos e comentários sobre esportes.

<

terça-feira, novembro 04, 2008

Ecos de Interlagos




Em 2007 o GP Brasil foi o segundo evento esportivo mais visto em todo o mundo, perdendo apenas para o Super Bowl, quando o Indianapolis Colts derrotou o Chicago Bears. Em terceiro lugar ficou a final da UEFA Champions League, entre Milan e Liverpool.

Na manhã de hoje começaram a ser divulgados os primeiros números de audiência da fantástica corrida desse domingo. As chamadas do SportBusiness já anunciam:

Brazilian F1 GP breaks viewing records

The Formula One Grand Prix final in Brazil registered record TV audiences worldwide.”



Segundo a matéria, no Reino Unido 13,1 milhões de lares, representando 42% dos televisores, estiveram ligados na transmissão da vitória de Massa e conquista do título por Lewis.
Segundo Michael Grade, diretor da rede ITV, o único evento esportivo que teve números da mesma grandeza foi a final da UEFA Champions League, entre Manchester United e Chelsea.
Na ocasião, disse Grade, 14, 6 milhões de lares britânicos acompanharam o jogo.

Na França, a TF1 disse que a transmissão do GP bateu o recorde de audiência do ano, com 5 milhões de lares ligados, representando um percentual de 25% do total. E na Alemanha, a RTL teve a audiência média de 8,8 milhões de unidades familiares, com pico de 9,5 milhões de lares, com 31,5% médio sobre o total de lares.

No Brasil, a audiência média da Globo também alcançou índices muito elevados.
Os números da Grande São Paulo mostram uma audiência média de 32,7 pontos percentuais, ou 5,2 a mais em relação à corrida de 2007, com média de 27,5 pontos também na Grande São Paulo.

(Os números de audiência da Grande São Paulo saem em tempo real, em função do sistema implantado de medição há vários anos. Até o momento, devido a problemas com a rede telefônica, o IBOPE não conseguiu implantar sistema semelhante no Rio de Janeiro. A aferição que efetivamente vale e demora mais um pouco, inclui onze agrupamentos regionais, que são as principais regiões metropolitanas do país: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Campinas, Curitiba, Recife, Fortaleza, Porto Alegre, Distrito Federal, Belo Horizonte e Florianópolis. Além dessas regiões, a audiência também é monitorada em regiões como Campos dos Goitacazes, Governador Valadares, Juiz de Fora, Petrópolis, Uberaba, Uberlândia, Volta Redonda e outras cidades como Belém e Goiânia.)

Somente por esse fato já ficariam plenamente justificados os investimentos e despesas da cidade com seu principal evento esportivo. Imagem, no mundo de hoje, é fundamental. Justamente por isso, meu primo e outros amigos que foram a Interlagos, ficaram impressionados, por exemplo, com a quantidade de policiais presentes em todo o entorno do autódromo.

Com a chuva indo e vindo e as arquibancadas lotadas, Interlagos e São Paulo realizaram uma prova absolutamente tranqüila, sem nenhum problema.



Entrou ou não entrou?

Entraram, meu primo e seu amigo entraram.
Depois de peripécias mil em busca de ingressos, acabaram comprando para o setor F, pagando 400 reais cada um. Esse mesmo ingresso, válido apenas para o domingo, custava R$ 810,00 cada um.

Como se explica isso?

Simples: muitas empresas compram pacotes enormes e dão a funcionários, clientes, fornecedores e amigos como brinde. Uma parte significativa desses ingressos vai para o mercado, e são disputados por cambistas, que revendem-nos em seguida por valores bem maiores.

O Circo da Formula 1 acontece dentro e fora do autódromo. É bom que se diga que isso acontece, também, nas melhores provas em todo o mundo.

Muita gente que veio de fora para ver a corrida ficou em São Paulo para visitar o Salão do Automóvel, aberto ontem e já super-lotado. É o programa de hoje do meu primo.
Eu estou fora. Já tive o que bastou de Salões, quer como visitante, quer como expositor, em cinco ou seis edições.

.

Marcadores:

8 Comments:

  • At 1:29 PM, Anonymous Maurício Pena said…

    EMERSON,

    Gostaria que você, se possível, aprofundasse mais um pouco sobre esse assunto da medição eletrônica de audiência pelo IBOPE no Rio de Janeiro. É INCOMPREENSÍVEL que essa medição já seja feita há tantos anos em São Paulo e que devido a problemas com a tecnologia da rede telefônia , ainda não se consiga fazer essa aferição no Rio de Janeiro. Afinal, estamos ou não no século XXI ? Qual é REALMENTE o problema que impede esse tipo de levantamento numa cidade da importância do RJ no cenário nacional e até internacional er que até os dias de hoje não foi SOLUCIONADO ?

     
  • At 6:25 PM, Blogger Saulo said…

    A Fórmula 1 é um esporte que muita gente adora e essa final foi eletrizante.

     
  • At 7:19 PM, Blogger Emerson said…

    A situação não mudou no Rio, pelo que sei.
    Há alguns meses havia a expectativa do sistema entrar no ar, mas dada a ausência de barulho isso, muito provavelmente, não ocorreu.

    Na verdade essa audiência on line tem valor somente para os programadores de tv, que podem mudar seus quadros à medida que a audiência muda.

    Tem valor, também, para efeitos de propaganda, de impacto.

    Nada mais.

    No mais, os sistemas de medição do Rio e SP são absolutamente idênticos na concepção, distribuição, amostragem, etc, respeitando, é claro, as diferenças entre as cidades.

    A audiência da Grande SP impacta os números não por ser on line, mas sim pelo gigantismo do mercado consumidor.

     
  • At 8:05 PM, Anonymous Língua said…

    Emerson, vim encher aqui no seu blog. Domingo estava assistindo a corrida no sofá (TV) com a janela aberta, pegando uma fresca, quando o piloto que estava em sexto lugar (?) ultrapassou o Hamilton, para minha surpresa ouvi um huuuuuuuuuuuuuuuuuu na vizinhança, parecia que eu estava dentro de um estádio lotado, fiquei arrepiado, que é isso!!! todo mundo ligado na corrida, nunca tinha visto nada igual em meu pequeno e pacato Bairro. um abraço Emerson " E VIVA O TRICOLOR DE SP!!!!"

     
  • At 10:27 AM, Anonymous TRI MUNDIAL said…

    Emérson, seu primo pagou barato. Um amigo meu trabalha nas corridas alugando um espaço para guardar carros e tem contato com o pessoal que aluga laje. Tinha gente pagando R$ 400,00 para assistir a corrida de cima de lajes. Apesar que dizem ser melhor que alguns setores do autódromo.

     
  • At 11:17 AM, Anonymous Maurício Pena said…

    Emerson,

    Desculpe a ignorância mas não entendi o "por falta de barulho".
    Você quis dizer que não houve "cobrança" pela implantação do sistema?

     
  • At 3:45 PM, Blogger Emerson said…

    Maurício, se o Ibope tivesse implantado a aferição on line o mercado inteiro saberia, pois o instituto faria muito barulho - propaganda - com o fato.

    :o)

     
  • At 1:59 AM, Anonymous Anônimo said…

    A F1 agora dá gosto. Depois de um desjejum desgramado com o azarado, ótimo piloto e gente finíssima Rubinho, o Brasil viu o sol voltar a brilhar nesse domingo. Confesso que senti uma certa "opacidade" no tema da vitória ("tan tan taan") ao ver que o Felipe não levaria o título. Fazer o que Emersao, ossos do ofício, risco já calculado, ambiguamente emocionante, perdeu a guerra vencendo a batalha, com louvor! A 1a bandeirada define a corrida, a 3a bandeirada define o campeonato. Vamo Brasilllll !!

     

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home