Um Olhar Crônico Esportivo

Um espaço para textos e comentários sobre esportes.

<

quarta-feira, novembro 05, 2008

Rolando pelo mundo




"Obama Elected President as
Racial Barrier Fall
s"


Esta é a manchete do New York Times dessa quarta-feira, 5 de novembro de 2008.
Uma manchete histórica, no mais importante jornal do mundo, que merece ser estampada sem tradução – até porque ela não precisa de tradução.

Como cidadão desse planeta cada dia mais complicado, desejo a ele um governo sábio, voltado não só para seu país, mas também para o mundo, em boa parte ainda dependente do que fazem os Estados Unidos da América.

Sonho com ações positivas e marcantes em dois pontos:

- Restabelecimento pleno das liberdades e direitos civis nos Estados Unidos;

- Uma política efetiva de redução do absurdo consumo de energia, em todas as suas formas, em todo o território americano.

Ok, não sou miss, mas também desejo a paz no mundo.

Que venha, pois, 2009 e uma nova era, muito melhor, para todos nós.



E daí?


Pois é, e daí que o Obama foi eleito?

O Flamengo vai conseguir um grande atacante?

O São Paulo conseguirá, enfim, o seu tão ansiado meia?

A Arena Palestra Itália será construída?

O Corinthians conseguirá voltar à Libertadores?

O Cruzeiro trará alguém bom de bola e de liderança?

O Internacional conseguirá formar um time de fato?

O Bahia terá salvação?

E, por último, mas não menos importante, conseguirá o Marília seu tão sonhado acesso à Série A?

Perguntas pertinentes e impertinentes, questões sérias e graves, todas elas, sem a menor sombra de dúvida. A eleição de Barack Obama não significa, por si só, tempos de bonança, não é Obama um Messias redivivo, um Dom Sebastião da vida que vai nos trazer paz e prosperidade. Tenho a impressão, inclusive, que nenhuma dessas questões ocupa um só de seus neurônios. Bom, quem sabe a última delas, quem sabe...

O que sei é que 2009 será um ano para lá de interessante, que começará com o planeta mergulhado em sua maior crise econômica desde o Crash de 1929. Teremos todos muita sorte se tudo que se desenrolar nos próximos dois a três anos seja tão somente uma recessão e não a temida depressão econômica.

O ano começará, também, com o maior e mais poderoso país do mundo sob nova administração. Com certeza ela não será muito diferente do que foi a administração Clinton, até porque Obama e revolução são idéias antagônicas. Porém, mesmo sem revolucionar, o novo presidente já significa mudança em muitos aspectos. A política belicista e a visão voltada unicamente para o próprio umbigo que tanto caracterizaram a gestão George W, têm, esperamos todos, seus dias contados.

Se o novo presidente conseguir injetar boas doses de otimismo entre o povo e de confiança no sistema econômico-financeiro, rapidamente sairemos desse buraco negro que a cada dia engole mais recursos, empresas e empregos.

É o que espero.

Enquanto isso, fecho com o mesmo fecho de
Tostão para sua coluna de hoje, na Folha de S.Paulo:



"Nada para dizer"

"Na semana passada, vi entrevistas de Luxemburgo e Muricy no programa "Arena Sportv". Os dois disseram coisas importantes sobre a parte técnica e tática.
Discordo de algumas opiniões e aprendo com outras.
Já as entrevistas de Dunga, como a desta semana no mesmo programa, são repetição de chavões e de frases óbvias.
Não sei se ele não sabe dizer, se não quer dizer ou se não tem nada para dizer."


.

Marcadores: ,

6 Comments:

  • At 12:49 PM, Anonymous Aruil said…

    Ola Emerson,

    Sempre dou uma olhada no seu blog, leio com freqüência o JA e gosto do seus comentários. Vou tentar comentar com mais freqüência.
    Quanto ao Obama realmente não entendo essa euforia toda pra nós aqui desse lado do mundo nada vai mudar significativamente, mas bem o otimismo é sempre válido.
    Li no blog futebol & negócios que renda liquida do jogo do São Paulo domingo foi de R$ 800 mil, você sabe me dizer como funciona essa distribuição do dinheiro no clube, por exemplo paga salários dos jogadores.

    Abraço

     
  • At 3:15 PM, Anonymous tina said…

    Impossivel ficar indiferente ao que aconteceu nos EUA!

    Praticamente,pouca coisa pode mudar, mas acredito que o mundo não será mais o mesmo....e isso é bom, muito bom!

     
  • At 3:33 PM, Blogger Emerson said…

    Aruil, o SP funciona em caixa único, mas com a contabilização separada por unidades de negócio.

    De um bolo único saem as fatias para todos, mas tem um carinha contando quantas fatias vão pra área social, pro futebol, pro estádio...

    Da mesma forma, toda a receita é igualmente contabilizada pela origem.

    Dá uma olhada nos posts de maio (se não me engano) sobre o balanço do SP - acho que o primeiro é "Enchendo o cofre".

    Quanto ao Obama, minha esperança é que ele atue na redução do consumo de energia, por um lado, e do outro jogue no lixo a sucata obscurantista do Bush, principalmente as restrições às liberdades e direitos das pessoas.

    Isso é fundamental, porque, até quem não gosta dos EUA, reconhece que ali sempre foi um ponto de referência nesse tema. Quem, como o pessoal da minha geração, viveu sob o tacão de uma ditadura, sabe o quão importante é a liberdade pura e simples, manchada pelas medidas "patrióticas" de George W.

    :o)

    Certo, Tina?

     
  • At 4:15 PM, Blogger RONALDO DERLY RODRIGUES said…

    o marilia ganhou roubado,não foi penalty,meteram a mão no vila he he
    he compraram o juiz he he he.

    abraço ronaldo.

     
  • At 8:41 PM, Anonymous tina said…

    Obama não é daqueles americanos que só olha pro próprio umbigo!

    e se os EUA pegam uma gripe a gente passa um tempão espirrando e tossindo, né?

    então...:-)

     
  • At 6:06 AM, Blogger Luis Henrique said…

    Obama pelo menos sabe um pouco de futebol e declarou na sua visita a Inglaterra que torce para o West Ham.

    Emerson, redução do consumo de energia já ocorre. O que vai ser mais importante é conseguirem desenvolver alguma energia alternativa que vai fazer o mundo menos depedente do petrolio do Irã, Venezuela, e Russia.

     

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home