Um Olhar Crônico Esportivo

Um espaço para textos e comentários sobre esportes.

<

quarta-feira, setembro 03, 2008

Santos renova com a Umbro




O Santos fechou contrato com a Umbro, que vai patrocinar a equipe e fornecer seus uniformes pelos próximos três anos. O clube também receberá royalties pela venda de camisas e outros produtos e a Umbro montará uma loja oficial do clube em São Paulo. O valor-base do contrato é de 11 milhões de reais por ano, segundo revelou ontem o jornalista Ricardo Perrone, na coluna Painel (FSP).


Esse valor é importante, principalmente como sinalizador para as negociações e renegociações em curso no mercado, como a do Palmeiras, cujo processo de escolha está na reta final e chegou a atrasar o processo santista, pela coincidência de datas. Pela lógica mercadológica, o valor a ser fechado pelo Palmeiras deverá girar entre doze e quatorze milhões de reais, também como valores de base do contrato.


Chamo de valores de base porque, na verdade, os valores reais desses contratos não são revelados, e a movimentação financeira propriamente dita pode ficar abaixo ou acima do que é revelado, mesmo porque esses valores incluem o fornecimento de equipamentos para os clubes patrocinados.



Repercussões e desdobramentos


Como este Olhar Crônico Esportivo adiantou há algum tempo, esses novos valores anunciados levarão o mercado a um novo patamar em 2009. Embora nada tenha sido dito, eu imagino que a direção do São Paulo está se movimentando para negociar um novo acordo com a Reebok.

Fica claro, nesse momento, que as conversas Corinthians/Nike também foram ou serão afetadas por esse acordo (ver a respeito os posts de 1º e 15 de julho). Aliás, sobre esse ponto e a despeito da política de transparência adotada por Andrés Sanches, não duvido que o novo acordo já não tenha sido assinado.

Os indícios que apontam nessa direção são, principalmente, a relativa tranqüilidade em que vive hoje a direção alvinegra. Possivelmente em função de acertos com a Globo/Clube dos 13 para antecipação de direitos de TV de 2009 e, também, as ‘luvas’ de onze milhões de reais que o clube teria solicitado e a Nike teria concordado em fornecer, ou o oposto, hipótese que creio ser mais verdadeira: a Nike teria oferecido essa quantia para levar o clube a renovar de vez o contrato (ver posts já citados).


Teríamos, então, e sempre a partir das informações divulgadas e aceitas pelo mercado, um quadro em que, em 2009, o Corinthians receberia 16,5 milhões da Nike, o São Paulo 15 milhões da Reebok, o Santos 11 milhões da Umbro. Como disse acima, imagino o Palmeiras recebendo algo entre doze e quatorze milhões, o Flamengo tentando encerrar seu ciclo com a Nike para mudar para a Olympikus e seu patrocínio de 21 milhões de reais. A esse respeito, por sinal, executivo ligado ao mercado disse a esse blogueiro que esse número está um tanto quanto inflado.



Conversando com José Carlos Peres


Esse texto anterior já estava pronto quando conversei com o José Carlos Peres, que responde pela sede paulistana do Santos. Excelente conversa, com um dirigente que, na minha visão de observador externo, vem fazendo excelente trabalho pelo seu clube aqui na Capital e Grande São Paulo.


Começamos falando sobre o patrocínio renovado, que àquela altura ainda não era oficial, pois faltava a aprovação do Conselho do clube, reunido na noite dessa terça-feira.

Peres, que conduziu as negociações com as empresas de material esportivo, estava muito satisfeito com o novo contrato, que disse representar um verdadeiro marco, não só para o Santos, como também para o próprio mercado. Como é comum nessa área, ele não pôde revelar os valores envolvidos, tampouco confirmar ou desmentir o que foi anunciado por Ricardo Perrone. Mas, aparentemente, se não for esse valor divulgado, tampouco está muito distante disso.


A importância dessa renovação para as duas entidades pode ser avaliada melhor pelo fato da Umbro já patrocinar o Santos há nove anos, entrando agora no décimo. Um tempo realmente muito longo, creio que sem similar no mercado, como destacou José Carlos. Essa renovação, de acordo com ele, insere-se num trabalho que o clube vem fazendo de fortalecimento da marca Santos em todo o Brasil e em outros países.


Além de pontos como a duração de três anos do novo contrato, o pagamento de luvas para o clube e a fixação de um valor mínimo de receita, Peres destacou outros pontos muito importantes nesse novo contrato:


- montagem de uma loja temática em Santos e outra em São Paulo, atendendo o mercado da Capital, ABC e demais municípios da Região Metropolitana;


- pagamento de royalties para o clube;


- crescimento e diversidade no número de produtos oferecidos aos torcedores, que poderão ter um leque de até 80 a 85 produtos para escolha, cobrindo os públicos masculino e feminino, além das mais diversas faixas etárias; Peres considera esse ponto importante, e citou, como exemplo, o fato do São Paulo dispor hoje de quase cem diferentes produtos para escolher;


- a Umbro vai criar um caminhão-temático, que será deslocado para cidades em que o time for jogar, permitindo aos torcedores santistas dessas praças o acesso aos produtos oficiais do clube num momento considerado ideal; corroborando essa avaliação, segundo informações que este blogueiro ouviu no Morumbi, o caminhão temático do São Paulo trouxe excelentes resultados em termos de vendas;


- por último, mas não menos importante, o dirigente santista destacou que os valores dos prêmios por conquistas do clube foram melhorados.


Com a saída de Dagoberto dos Santos, que assumiu a secretaria-executiva do Clube dos 13, o clube reorganizou sua área de negócios e traçou um planejamento visando, como foi dito, o fortalecimento da marca, além, é claro, de aumentar as receitas de marketing. A renovação com a Umbro já é fruto desse trabalho.


No exterior, o Santos acompanha e cuida com carinho de escolas de futebol com o nome e filosofia santista. A maior delas, e que vem trazendo muito entusiasmo, é a do Cairo, que já conta com 600 alunos em diferentes idades. O Santos participa da administração e tem participação de 40% nos direitos econômicos de jogadores revelados e formados nessa escola.

Há um programa para que os jovens com maior potencial venham aprimorar seu futebol em Santos, e nesse caso a parte santista nos direitos econômicos desses atletas passaria para 60%.

Diante do sucesso da escola no Cairo, outra está para começar em Alexandria, também no Egito, e mais uma unidade na nova coqueluche do futebol mundial, Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.


Saindo das areias e do calor do Oriente Médio, na gelada e arborizada Toronto há outra escola em operação, também com excelentes resultados.


Um parênteses: Toronto é a sede do clube canadense que já disputa a MLS – Major League Soccer – ao lado de outras 13 equipes dos Estados Unidos, número que crescerá na próxima temporada com a chegada do Seattle (ver post a respeito) e também de outra equipe canadense, de Montreal. Um clube de Ottawa, capital do país, tem enviado seus garotos regularmente para treinar em São Paulo nos últimos anos, e tem intenções de fazer isso de forma permanente, visando formar jogadores para atuar no futebol canadense.

É o soccer ganhando espaços.


Voltando à conversa com o José Carlos Peres, há negociações para levar as escolas santistas para o Japão e Coréia do Sul.

O Santos não é pioneiro nessas áreas, pois ao chegar nesses países deparam com a presença de clubes italianos e espanhóis, principalmente: Milan, Real Madrid, os mesmos de sempre.


No Cairo, a Umbro que já atua com força em Dubai, trabalha em conjunto com o Santos, fornecendo os uniformes a preço de custo e aproveitando para outras ações de inclusão social.


Uma das próximas metas dessa área de negócios, agora, é negociar o patrocínio das mangas das camisas , no momento ocupadas pela Tintas Universo e cujo contrato vence em dezembro próximo. O patrocínio da Semp Toshiba tem contrato em vigor até dezembro de 2009 e José Carlos Peres está bastante otimista com o desenvolvimento dessa área, que oferece grandes possibilidades para crescimento.


Para surpresa deste blogueiro, inclusive, ele falou de um informal “G4”, que foi a reunião do pessoal de marketing do Santos, Corinthians, Palmeiras e São Paulo, com a finalidade de discutirem e até negociarem em conjunto algumas ações de marketing, em especial na área de licensing, onde o adversário não é o outro clube e sim o comércio ilegal.


Independentemente da situação vivida hoje pelo clube dentro de campo, fora dele o Santos F.C. tem se mexido muito bem e, ao contrário do time, pode-se dizer que está em excelente posição na tabela do jogo de marketing.


.

Marcadores: ,

1 Comments:

  • At 1:12 PM, Blogger TOY said…

    Ótima entrevista! Nós procuramos nos interar sobre os informe dos clubes, principalmente do SANTOS FC, mas na Capital essas notícias não chegam à todos, excelente descobrir como meu time está agindo diante do mundo globalizado com ações diretas de marketing.

    SANTOS o Time da Virada.

     

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home