Um Olhar Crônico Esportivo

Um espaço para textos e comentários sobre esportes.

<

quinta-feira, agosto 28, 2008

Cesão solta a voz


No Cubo d’Água ele soltou os braços, as pernas, o corpo todo e conquistou o ouro na prova mais veloz da natação. Essa conquista foi basicamente fruto de seu esforço e do esforço de seus pais. No caso dele, especificamente, a CBDA nada participou.


Cesão veio de Santa Bárbara d’Oeste para o Pinheiros, onde treinou e nadou por dois anos com Gustavo Borges. Foi com essa base, somada ao seu início no interior, que ele mostrou-se dotado de grande potencial como atleta de natação. Conquistou uma bolsa de estudos numa boa universidade no estado de Alabama, nos Estados Unidos e mudou-se. Lá, passou a treinar com o australiano Brett Hawke, responsável direto por sua evolução.


O resto, todo mundo já sabe, ouro e bronze em Pequim.


Hoje vivi um momento de sorte. Saí para uma reunião, liguei o rádio e peguei o final do Esporte em Discussão, na Jovem Pan. O pessoal falava do garoto Oscar, que estreou ontem no Morumbi, no jogo contra o Atlético Paranaense. Ouvi com interesse, claro, e na sequência entrou o Cesão, em visita ao estúdio, que foi entrevistado ao vivo.


Conversa vai, conversa vem, boas perguntas, excelentes respostas – aliás, como se expressa bem o Cesão! – e já no tempo estourado, invadindo o horário do programa seguinte, um dos entrevistadores pergunta se ele tinha visto o Ronaldinho Gaúcho falando ao celular no pódio, durante a entrega das medalhas.


- Não sabia e não gostei de ficar sabendo.


Curto e grosso. Mas ele não parou nisso, até porque os jornalistas deram trela, naturalmente. Foi além e disse que isso era um desrespeito, que o pódio é um lugar sagrado para o atleta. Cesão estava mesmo impressionado com o fato, o que motivou um comentário com cara de pergunta:


- Você parece chocado com essa informação.


- Eu estou chocado, sim.


Só por isso já teria valido muito ouvir a entrevista, mas ela não tinha acabado e o mais impactante e importante ainda estava por vir.


A pergunta veio numa sequência sem grandes novidades, mais uma pergunta padrão de entrevistas do tipo:


- Cesar, tem algum dia que você lembra de ter acordado com mais dores, um dia em que você treinou mais, ficou mais dolorido?


- Todo dia é dolorido, a gente tem dores, é a vida de um atleta. Mas tem um dia que eu lembro que foi pior porque eu estava muito irritado.

(Observação: Cesão começou a falar e não foi interrompido.)

Eu estava saindo para treinar quando recebi um telefonema do Brasil, era o pessoal (da CBDA) pedindo para eu vir para cá, porque teria uma reunião dos atletas com o Lula e a minha presença era importante.

Eu expliquei que não dava para ir, não, porque eu estava numa fase muito importante do meu treinamento.

(Cesão explica:)

Eu tinha que pegar um vôo para Atlanta, lá pegaria um para São Paulo e depois outro para Brasília. Só de vôos, sem contar aeroportos e atrasos, seriam dezesseis horas de viagem. Eu perderia dois dias de treino para ir, mais um para ficar no Brasil, ou dois, e mais dois voltando, então não dava, e expliquei isso, mas o pessoal insistia.

Ligaram pro meu pai, no consultório, e ficaram duas horas falando com ele, não o deixando trabalhar, atender as pessoas.

Aí me ligaram de novo, dizendo que se eu não participasse iria perder o patrocínio de não sei quantos reais. Eu falei que tudo bem, podia perder o patrocínio, mas não podia abrir mão dos meus treinos e comprometer uma medalha (ele dá uma paradinha, ri e comenta que nem sabia se ia ganhar uma medalha).


- Cesar – pergunta um jornalista – quem foi esse idiota.

Cesão hesita um instante, o jornalista pergunta se ele pode falar e ele solta o verbo:


- Foi o presidente da CBDA.


A entrevista continuou por mais uns dois minutos e, com grande avanço sobre o programa do Anchieta Filho, terminou.


Xuxa, empresário de Cesão, estava com ele.


Achei tão impressionantes essas declarações que peguei o celular e liguei para um amigo, contando a ele o que eu tinha acabado de ouvir.


Esse é o mundo do esporte olímpico brasileiro, onde um presidente de confederação acha mais importante interromper um rigoroso programa de treinamento de um atleta apenas para ele aparecer numa reunião com o presidente da república – nesse ponto, sou obrigado a dizer que o presidente não sabe disso, porque se soubesse, ou quando vier a saber, vai reagir forte e vai sobrar para os aspones que criam esse tipo de absurdo.


Maior absurdo ainda, ou nem tanto, já que fica difícil mensurar os absurdos, é esse presidente de confederação ameaçar o atleta com a perda de seu patrocínio.


Esse é o pessoal que faz discursos pedindo dinheiro, dinheiro, dinheiro, dinheiro e mais um bocado de dinheiro, para fazer do Brasil uma grande potência olímpica.


Parabéns, Cesão!


Você é muuuuuuuiiiiito medalha de ouro.



Clique aqui e acesse a entrevista na íntegra, com 21 minutos de duração. Esse trecho sobre a ameaça começa aos 16'30".


P.s.: Coaracy Nunes é o nome do presidente da CBDA – Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos. Está no poder desde sempre, como os outros.



Correção: este blogueiro referiu-se ao presidente da CBDA como Almirante. Ele não é, nunca foi, é advogado. Peço desculpas pela falha. É o que dá confiar na memória e escrever sem pesquisar.



.

Marcadores: ,

3 Comments:

  • At 11:03 PM, Blogger Gustavo said…

    Vamos ser sincero. No caso do Cielo interromperia 5 dias de treinamento. No caso de quem treina no Brasil, no mínimo 1 dia para quem está no eixo Rio-SP.
    Em época pré-olímpiada, está errado essas reuniões de atletas com presidente.
    Nota zero para os dirigentes que precisam levar os atletas para aparecer.
    Nota dez para o Cielo que peitou mais uma vez a CBDA para treinar da maneira que achou correta.
    Estava na hora do Thiago Pereira notar que os melhores tempos dele vieram logo após o seu retorno dos EUA (Pan).
    Essa mania da CBDA de defender treino aqui para atleta de elite é complicada. A estrutura não é igual. Enquanto não montarem um centro de treinamento, é complicado.

     
  • At 11:38 PM, Blogger Emerson said…

    Dois comentários, Gustavo:

    - O que complica para treinar no Brasil é a falta de competição, a falta de referência. Não sei se você ouviu a entrevista inteira, mas o Cielo comenta esse ponto. Nos EUA ele treina com caras que fazem tempos melhores que os dele, e isso estimula-o a melhorar. Aqui, ele treina com caras que são dois, três segundos mais lentos e o estímulo não aparece.

    - Essa maldita mania do beija-mão é um atraso de vida. Curiosamente, se o próprio presidente soubesse disso reagiria com raiva, pois ele sabe que interromper treinamento para viajar e fazer reunião é um atraso.

    Um dia a gente evolui.
    Enquanto isso, é como você disse: nota 0 pra esses caras.

    :o)

     
  • At 6:04 PM, Anonymous tina said…

    hum Emerson,
    tenho minhas dúvidas sobre a reação do presidente,viu...
    Só sei que qdo Cielo ganhou o ouro, mal saiu da piscina e já tinha um senhor de terno(vai ver era esse da CBDA) passando um celular para ele. as boas linguas dizem que era o Lula. Enfim...
    E vale dizer que os pais do Cielo não tinham lugar no Cubo para ver o proprio filho nadar. pq a CBDA não cuidou disso? Imagina só se eu fico sem ver minhas filhas por não sei qto tempo, refinancio um carro para ir até a China e não vou vê-las nadar?
    Parabéns ao Cielo e a seus pais!

     

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home