Um Olhar Crônico Esportivo

Um espaço para textos e comentários sobre esportes.

<

sábado, março 15, 2008

Boladas & Caneladas do meio de março

Futebol Inglês: oito ou oitenta

Pela primeira vez na história da Champions League, quatro dos oito times da semifinal são do mesmo país: Manchester United, Arsenal, Liverpool e Chelsea. Uma demonstração à prova de tudo da força do futebol jogado pelos clubes da terra da Rainha, confirmando, para muitos, que a Premier League é o melhor campeonato de clubes do mundo. Pode ser...

Por outro lado, foram definidos os oito times para a semifinal da Copa da UEFA, e nenhum deles, simplesmente, é da terra da Rainha.

Isso quer dizer alguma coisa?

Ou nada?

Muita força no topo e muita fraqueza abaixo deles?

Em tempo: esse blogueiro torce pelo:

- Fenerbahce, de Diego Lugano e Alex.

- Roma, de Mancini, Tadei e Doni.

- Barcelona, de Ronaldinho e Henry.

- Arsenal, de Denílson.

Não necessariamente nessa ordem.



Taça das “bolinhas” de novo na ordem do dia

O torcedor são-paulino Gianpaulo Scaciota, 37 anos, entrou com nova ação na justiça – a segunda já – exigindo da CBF uma posição sobre a famosa taça.

Baseado no Estatuto do Torcedor, ele já tinha entrado com uma ação em novembro. Apesar de ter um mês para responder, a CBF não o fez (e, curiosamente, fica tudo por isso mesmo). Agora, verdadeiro espírito-de-porco (nada a ver com o Palmeiras, apesar do nome), como diria vovó, ele entra com nova ação.

Parabéns, Gianpaulo!

Gostaria de ter sua paciência e conhecimento (ele é advogado) para fazer o mesmo, ou seja, encher o saco da CBF.

E da FPF.

E do Congresso Nacional.

E da Câmara Municipal de São Paulo.

E do Senado da República.

E da Câmara dos Deputados.

E da Presidência da República.

E do Itamaraty.

E do Chávez...

E do Correa...

E...

Vixxi, melhor parar por aqui.



Quando quatrocentos mil é mais que um milhão

Essa parece ser a matemática da diretoria palmeirense.

Mandante do Choque-Rei de domingo, o Palmeiras não quis jogar no Morumbi e optou pelo estádio Santa Cruz, do Botafogo de Ribeirão Preto. Isso porque a Polícia Militar e o Ministério Público não querem mais clássicos no Parque Antártica, devido à sua localização e vias de acesso, que dificultam o controle e separação das torcidas, favorecendo encontros que têm resultado em brigas, correrias, ferimentos e prejuízos.

Com o Pacaembu em reformas, a alternativa seria jogar no Morumbi, palco de muitas conquistas alviverdes, da mesma forma que de muitas conquistas alvinegras, tanto do time do Parque São Jorge como do time da Vila Belmiro.

Mas isso nunca, deve ter raciocinado a direção palestrina. Melhor uma renda de 400.000 em Ribeirão que uma renda de 1 milhão no Morumbi.

Decisões como essa explicam porque em dezembro de 2007 o Palmeiras recebeu sete dos oito e meio milhões de reais do patrocínio da Fiat para esse ano. E porque recebeu, também em dezembro, a maior parte do patrocínio Adidas para 2008.

Mas pelo jeito os cofres devem estar abarrotados para abrir mão de pelo menos meio milhão de reais de bilheteria.

E ainda tem dirigente que reclama da Lei Pelé...

(A esse respeito, ver post com declarações de Sua Majestade a respeito.)



Chamem o Harry Potter!

“Aquele-que-não-pode-ser-nomeado” está solto.

É impressionante a quantidade de lesões que vem acometendo os jogadores dos principais times brasileiros.

Duvido, e muito, que a ausência de pré-temporada e a sanha das torcidas exigindo vitórias em torneios estaduais não esteja por trás disso. Ao lado, é claro, de “Você-sabe-quem”, ao que tudo indica.

Agora é Jadilson que sentiu o joelho e as coisas ficaram ainda mais feias para o Cruzeiro, que vai para Caracas com apenas 15 jogadores. No banco, estarão o goleiro e apenas 3 reservas. Dos 25 inscritos para a Libertadores, nada menos que 9 estão entregues ao Departamento Médico, em alguns casos com problemas que tomarão mais de 30 dias para recuperação.

Que coisa...

Tanta bruxaria tem que ser coisa de Lord Voldemort e, nesse caso, só recorrendo a Harry Potter e aos aurores do Ministério da Magia.



Jancarlos no São Paulo

Que disputa!

Que vitória!

Uma batalha repleta de lances ousados e altas apostas!

Essa é a idéia que alguém pode ter ao acompanhar o noticiário envolvendo a contratação do lateral Jancarlos pelo São Paulo. Segundo o noticiário, o Santos tinha interesse em sua contratação e o Corinthians estava com a negociação adiantada. Quanto ao interesse santista não há certeza, mas com o Corinthians sim, estava tudo se encaminhando para um acerto quando o time do Morumbi entrou na disputa.

E entrou via amizades. Aloísio e Dagoberto falaram com Jancarlos e abriram o caminho para a conversa entre o clube, o atleta e seu empresário.

Coisas do futebol, mas, sei lá, já vi disputas mais interessantes. A torcida Tricolor espera que Jancarlos justifique a batalha.



Sobrou pro Lulinha

(Que não se perca pelo nome.)

Terminado o jogo do Morumbi, Corinthians 2 x 2 Juventus, a torcida corintiana vaiou o garoto Lulinha. Irritada, com certeza, pelo empate, pelas oportunidades perdidas, pela liderança não alcançada do Paulista e, quem sabe, talvez até saindo do famoso G4. Então, tome vaia sobre um garoto de 17 anos, lançado na fogueira do BR 2007, entrando agora no time de Mano, cujo objetivo maior é o retorno à 1ª divisão do BR. Lulinha não tem corpo, não tem malícia, não tem força de um jogador adulto.

Nessa idade, há que ter muito, mas muito cuidado ao mandar um garoto assim de encontro às feras. Além de cuidados, é bom que não se descarregue muita pressão sobre ele. Melhor ainda que não se crie muita expectativa.

Fizeram tudo ao contrário e continuam fazendo.

As vaias são apenas o corolário dessa seqüência.

Mas o garoto é bom de bola e tem futuro.

Assim como o time do Corinthians treinado por Mano.



Para terminar...

“Vocês têm que procurar onde está o dinheiro!”

Sua Majestade, Pelé, Rei do Futebol.


.

Marcadores:

1 Comments:

  • At 1:43 PM, Anonymous tina said…

    hahaha
    Harry Potter, adorei!!!
    Nem Dumbledore dá jeito!!!

     

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home