Um Olhar Crônico Esportivo

Um espaço para textos e comentários sobre esportes.

<

sexta-feira, março 14, 2008

Ética ou liberdade?


“Não há moral, ética, nada”, disse o diretor da Federação Cubana de Futebol, Antonio Garcés, em relação à fuga de sete atletas da seleção cubana sub-23 que disputava o Pré-Olímpico em Tampa, na Florida.

Primeiro foram 5 atletas de uma só vez, incluindo o capitão da equipe. Depois de brilhante empate em 1x1 com a seleção americana, comemorado efusivamente na ilha (ainda) de Fidel, os jogadores, durante a madrugada, abandonaram o hotel. Na madrugada de ontem mais dois atletas fugiram e, comenta-se, ainda sem confirmação, que o mesmo fez um membro da comissão técnica cubana.

Com isso, o grupo de 18 atletas viu-se reduzido a 11, mas com um deles suspenso, Cuba entrou em campo para jogar contra Honduras com apenas 10 jogadores em campo e nenhum no banco. O jogo terminou em2x0 para Honduras, para alegria da delegação cubana que temia uma goleada retumbante e ainda mais desmoralizante.

A regra permite que uma equipe entre em campo com um mínimo de 7 jogadores – a mesma regra que já levou jogos ao final prematuro por conta de expulsões e contusões.

Os primeiros atletas a desertar estão negociando a ida para o Miami FC, que disputa a MLS – Major League Soccer e tem um grande contingente de torcedores cubanos em sua base.

Então, volta a pergunta: falta de ética ou desejo de liberdade?

A liberdade, para quem a tem, é algo vago, difuso, nunca considerado para nada na vida, afinal, como considerar algo “inexistente”?

A falta dela, todavia, é “existente”, é concreta, é dura, é pesada, é triste.

Ao ser humano, quase tudo é permitido na luta pela liberdade. Antigamente, tudo era permitido e aceito. Hoje, com atentados terroristas que matam inocentes, essa aceitação já é mais restrita, mas, certamente, a fuga de um regime ditatorial não é condenada. Exceto por aqueles que nada enxergam da realidade sem as lentes fortes da ideologia.

Já durante o Pan Americano, no Rio de Janeiro, três atletas e um treinador cubanos desertaram. Dois permaneceram no Brasil, já tinham tudo planejado. Dois atletas, porém, foram capturados pela Polícia Federal – mesmo sem nenhum crime ter sido cometido – e entregues ao governo cubano, que mandou um avião especialmente para levá-los de volta à ilha. Os atletas não tiveram tempo e apoio para pensar, para raciocinar sem pressões. Poucas vezes tive tanta vergonha do governo brasileiro como dessa feita. Negamos nossa história, para dizer o mínimo. Esse risco, pelo menos, os atletas que fugiram nos Estados Unidos não correrão.

Que sejam felizes no novo lar, em liberdade, ainda e sempre nosso bem mais precioso.

Pois não há agressão à ética nesse caso, há, tão somente, a fuga para a liberdade.

Mesmo porque, na visão do dirigente cubano, ético seria retornar à virtual prisão que é a ilha de Fidel e de Raul. E isso, convenhamos, nada tem de ético.


.

Marcadores: ,

8 Comments:

  • At 10:44 AM, Blogger Rod Molina said…

    Em primeiro lugar, gostaria de lhe dizer que no episódio da deportação dos cubanos durante o Pan, senti a mesmíssima coisa que você: vergonha de ser brasileiro.

    Amigo, não sei quais são suas convicções políticas, mas eu tenho horror ao comunismo, que normalmente, vem acompanhado pela ditadura -essa eu sei que você abomina. Sou daqueles que pensa que comunista come criancinha, mas metáforas à parte, a afirmação não foge muito à verdade.

    Quanto ao Governo Lulla, uma de suas características mais marcantes, é a evidente subserviência nas relações internacionais. O Itamaraty, nosso Ministério das Relações Exteriores, já foi um dia reconhecido internacionalmente como um exemplo de excelência. Hoje, o Sr. Celso Amorim e seu patrão, fazem o Barão do Rio Branco e o Rui Barbosa se contorcerem de ódio na sepultura, vendo a bela reputação que criaram para a Diplomacia Brasileira descer pelo ralo abaixo. Lulla e Celso Amorim Beijam a mão de Fidel do mesmo modo patético que beijam a mão de Hugo Chavez.

    O pior, amigo, é ver artistas -que representam uma pseudo-intelectualidade brasileira- arrotarem aos quatro ventos a "maravilha do regime cubano" e promoverem encontros de desagravo a políticos corruptos e mensaleiros, sempre de olho em verbas públicas para a realização de seus projetos pessoais.

    Foi esta esquerda raivosa e ignorante da inevitável existência de um mercado livre, que sabotou o governo FHC com uma oposição sistemática, egoísta e impiedosa. Agora posam de grandes administradores, se aproveitando do equilíbrio econômico deixado pelo Governo anterior -que eles injustamente acusam de ter deixado uma herança maldita- e de uma calmaria jamais vista na economia mundial.

    Acorda Brasil! A URSS e o Muro de Belim já se foram há quase 20 anos. Até a China, outrora tão fechada, aos poucos está se curvando as maravilhas do capitalismo e do mundo livre. O assassino do Fidel Castro já vai tarde, e que também vá logo desta para uma melhor. Liberdade para o povo cubano!

    Em Terras tupiniquins, os comunas do Lullo Dirceuzismo Bolchevique bebem Romanée Conti...enquanto o povão está entorpecido pelos Bolsas-Famílias da vida...

    Mais uma vez, me desculpe pelo espaço tomado. Não sou brilhante como você, amigo, mas também adoro escrever.

    Um abraço,
    Rod.

     
  • At 11:57 AM, Blogger ronaldo derly said…

    emerson para mim não foi nenhuma sur
    presa esta atitude do governo lula
    em deportar os cubanos,seria sim uma
    surpresa se fosse o contrário,um abra
    ço e bom final de semana.

     
  • At 3:48 PM, Blogger Guillermo said…

    Isso que dá quando a pessoa mistura futebol com política.

    Assim como você critica o governo cubano por não respeitar os atletas desertores, você não respeita o governo cubano por ter a posição política que eles têm. Por não sofrer nenhum embargo do maior país do mundo é fácil para você encher a barriga e de maneira arrogante arrotar palavras vãs e desrepeitosas.

    Respeito é uma via de duas mãos...

    DÁ-LHE GRÊMIO!!!

     
  • At 3:59 PM, Blogger Guillermo said…

    Aos papagaios que repetem o que lêem na Veja (bom... pelo menos eles sabem ler, apesar de não ter capacidade de escolher o que ler) a deportação de cubanos não tem absolutamente nada a ver com quem está na cadeira de presidente. Se qualquer outro presidente não fizesse isso estaria "apenas" desrespeitando a lei BRASILEIRA.

    Abrigar imigrantes ILEGAIS é "apenas" ILEGAL no Brasil (o uso repetitido da palavra ilegal foi propositado para reforçar a idéia e fazer entrar nas cabeças ocas). Não importa a nacionalidade do imigrante: cubano, espanhol, estadunidense, etc. É ilegal SEMPRE, se a pessoa não estiver respeitando as leis de imigração.

    Então, antes de falar bobagem entendam a situação. É uma ótima oportunidade para aprender coisas novas. Se isso for difícil, atenham-se apenas a assuntos dos homens correndo atrás da bola, pois aparentemente já apresenta desafios suficientes a vocês.

    DÁ-LHE GRÊMIO!!!

     
  • At 5:02 PM, Blogger Rod Molina said…

    Emerson, acho que o Guillermo, um profundo conhecedor do Direito Internacional, nunca ouviu falar em Asilo Político.

     
  • At 5:39 PM, Blogger Emerson said…

    Guillermo, eu dou-me o direito de misturar futebol com política, com cinema, com música, com economia... Ninguém é obrigado a gostar, naturalmente, por isso a mudança de página, assim como a de canal de televisão, é direito assegurado ao leitor e ao telespectador.

    Você tem razão, eu não respeito o regime cubano. Não respeito quem não respeita as liberdades básicas do ser humano. Não tenho mesmo o menor respeito.

    Embargo? Fala sério... O embargo é apenas a impossibilidade de comerciar com os Estados Unidos. Mas o comércio cubano com toda a Europa, Canadá e América do Sul, bem como com o México, nunca deixou de ocorrer, exceção feita a curto período com alguns países sem maior significado no contexto do comércio exterior.

    A deportação, pior que isso, a entrega dos dois atletas cubanos a agentes policiais cubanos foi um atentado aos direitos humanos e à história do asilo político.
    Esse episódio foi o que eu disse: Vergonhoso. Lamentável. Triste.
    Profundamente deplorável.

    Talvez seja você que está escrevendo “bobagem”, ditada por uma visão ideológica dissociada da vida real.

    E, Guillermo, para sua informação, conheço Cuba.
    E, para sua informação, dediquei muitos anos de minha vida à militância política, justamente contra o regime militar e contra a falta de liberdades que esse regime impôs ao Brasil e aos brasileiros.

    E, para sua informação, Guillermo, essa nossa conversa jamais ocorreria em Cuba.

    Pense a respeito. Acho que você sabe pensar um pouco, apesar de não ser leitor da Veja.

    E bom final de semana.

    :o)

     
  • At 7:45 PM, Blogger Rod Molina said…

    Liga não, Emerson...

    Os filhotes de Stalin e as viúvas da utopia comunista são assim mesmo...Têm aversão à pluralidade de opiniões e ao debate democrático.

    E mais amigo, se isso aqui fosse Cuba, com uma crítica ao Governo como a feita no seu post e com o meu comentário, nós dois iríamos direto para "El Paredon"

     
  • At 8:04 PM, Blogger ronaldo derly said…

    caro emerson licença para entrar nes
    ta linha cruzada e mandar um recado
    ao guillermo,pelo que ele disse voçe
    não entende do que escreve e ele não
    entende de algo muito mais importante
    que se chama educação e respeito,divergir é uma coisa,agredir é outra bem diferente,assim como voçe respeita merece ser respeitado,um abraço e tudo de bom.

     

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home