Um Olhar Crônico Esportivo

Um espaço para textos e comentários sobre esportes.

<

terça-feira, outubro 23, 2007

Na reta final


Restam 18 pontos em jogo no Campeonato Brasileiro. Mais do que nunca, estamos, de fato, na reta final da competição. Na ponta de cima da tabela, sem novidades ou sobressaltos, o São Paulo segue tranqüilo. Se vencer o Sport domingo, e Palmeiras, Santos e Cruzeiro no máximo empatarem seus jogos, o time já será, matematicamente, o Campeão Brasileiro de 2007, com 5 rodadas de antecedência em relação ao final do campeonato. Na parte de baixo, América já está rebaixado, matematicamente. Foi o primeiro. Juventude e Paraná estão praticamente rebaixados, e só um milagre tiraria um ou outro da Série B de 2008. Com 68% de probabilidade de fazer companhia a essas equipes em 2008, está o Corinthians.

Infelizmente, não há muito o que falar sobre isso. O time está pagando o preço por anos de desmandos administrativos, por 14 anos sob a mesma direção, e, sobretudo, pelo apego a parcerias que prometiam conquistas mágicas a troco de nada ou a troco de tudo e que nada levaram, ao fim e ao cabo. Porém, a cada parceria, a cada aventura, o clube ficava em situação cada vez pior. No caso atual, além da freqüência regular nas manchetes policiais, o melhor e mais acabado exemplo da aventura com a misteriosa MSI foi o caso Nilmar: ao Corinthians sobrou pagar uma dívida de oito milhões de euros e, cúmulo da ironia, ficou sem o jogador, atualmente vinculado ao Internacional. Se bem que o saldo pior, mesmo, nem é isso, ou a dívida acumulada que para uns é de 80 milhões, para outros ultrapassa os 100 milhões: o pior é o rebaixamento, nesse momento uma quase certeza, para a segunda divisão do futebol profissional do Brasil. Essa é, sem dúvida, a pior herança da gestão Dualib e da MSI.

Pode parecer mentira, mas é verdade.

Pode parecer mera piada de adversários, mas é verdade.

Pode parecer absurdo, e é mesmo absurdo.

O Clube de Regatas Vasco da Gama demitiu o treinador Celso Roth e em seu lugar, no jogo decisivo contra o América do México pela Copa Sul Americana, o time será dirigido pelo centroavante Romário.

Se já era absurdo o jogador, com 41 anos de idade, entrar e sair do time ao seu bel-prazer, teremos o absurdo maior de vê-lo dirigir o time com ele mesmo em campo.

Prefiro não tecer mais comentários sobre isso. Mas é triste ler essa notícia em sites internacionais como da World Soccer e France Football.

Na outra face dessa moeda tupiniquim, o Flamengo aproxima-se da classificação para a Libertadores 2008, graças a uma campanha que cresceu nessa reta final tão dolorosa para muitos. O fator decisivo para isso foi, sem nenhuma dúvida, a força da torcida que vem lotando o Maracanã jogo após jogo, batendo recordes de presença. Naturalmente, há o mínimo de correspondência em campo, de um time que, se não chega a ser brilhante, tem jogado bem e conta com alguns bons valores individuais.

Uma competição por pontos corridos é justa e premia, na maioria das vezes, as equipes mais regulares, mas premia, positiva ou negativamente, quem cresce na hora certa. Num futebol como o brasileiro, com problemas de calendário que castigam as melhores equipes, isso é positivo. O começo do Brasileiro é prejudicado pela disputa da Copa Libertadores de América. Logo em seguida, quase sem pausa, vem a janela de contratações do verão europeu, que normalmente provoca desfalques importantes nas grandes equipes.

Os noventa dias finais do campeonato proporcionam uma boa oportunidade para a recuperação dessas equipes, desde que não tenham ido demasiadamente mal nos primeiros meses.

Alguns clubes aproveitam, outros despencam.


.

Marcadores:

1 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home