Um Olhar Crônico Esportivo

Um espaço para textos e comentários sobre esportes.

<

domingo, abril 06, 2008

Impressões de uma tarde chuvosa


Domingão gostoso, cara e temperatura de outono, preguiçoso como merece todo domingão. Jornalão no café-da-manhã, Felipe Massa de ponta a ponta, com categoria e muita classe, mostrando que sabe guiar, apesar dos muitos motoristas que adoram criticá-lo, tal como adoram criticar Rubens Barrichello.

Ao invés de almoço em casa, encontro marcado com um pessoal desconhecido – ao vivo – no Habib’s perto do Morumbi. Isso mesmo, desconhecido ao vivo, mas já conhecido pela internet. Encontro de são-paulinos, para uns comes & bebes e depois o jogo. Damião, Mafê, Oto e Edu, são-paulino roxo (opsss...) de Fortaleza...

Assim foi. Papo agradável, reminiscências, novos conhecimentos – ao conhecer ao vivo pessoas com quem convivemos no cyberspace, tudo rola com naturalidade, o papo flui, como se nos conhecêssemos há muitos e muitos anos. Curiosamente, e paradoxalmente, a internet é ótima para aproximar as pessoas e fazer amizades.

Kibes e esfihas depois, com chopps (plural de chopp... hehehe) e mineral com gás, pegamos o nosso velho caminho da roça rumo ao Cícero Pompeu de Toledo.

Um dos novos amigos tem um esqueminha bem legal com um segurança de uma rua meio escondidinha e com ele deixamos os carros. Contam-me que quando estão atrasados chegam a deixar a chave para o rapaz estacionar na rua. Nem tudo no mundo é feio e maldoso.

Opa!

Essa agora! Dez ou doze anos depois, talvez até mais, volto à velha e mui conhecida arquibancada. Que saudades! Gosto de ver o jogo lá do alto.

Como vou de arquibancada e não de cadeira, preciso comprar ingresso. Damião, um dos amigos, também precisa. O diabo é enfrentar a fila...

Sem chance.

Mas não há problema, aparece um cambista amigo e pagamos 27,50 cada um pela entrada de 20,00. Sem queixa e sem stress.

A existência de cambistas não me incomoda e chego a achar confortável ter os caras ali. Sei que isso deve estar deixando em choque muitos leitores desse Olhar Crônico Esportivo, mas, buenas, essa é a vida real. Acho muito errado e criminoso a existência de esquemas que entregam ingressos em acordos entre bilheteiros (e sabe-se lá quem mais) e cambistas. Mas sempre acredito que o cara de quem estou comprando é só um micro-empresário atuando no ramo de revenda de ingressos, é parte do show-business. Sim, é cômodo pensar assim, concordo.

Enquanto pegamos nossos ingressos a garoa começa a cair.

Fora do Morumbi temos a impressão que o público será muito grande, mas lá dentro, depois de mais alguns minutos, mudamos nossas previsões. Vários de nós apontaram para 25.000 torcedores, esse blogueiro inclusive, e acertamos em cima.

A revista de praxe na entrada, a ida básica ao banheiro antes e vamos ao jogo.

Garoa forte caindo, os dois times em campo, hino executado e não sei que mais e... Nada. S.Sra., o árbitro, ficou aguardando o relógio mostrar 16:00. Tome vaia, claro. É nosso direito de freqüentadores de estádio, ainda mais na arquibancada. Podia começar antes do horário, ora pílulas, seriam 4 minutos a menos na chuva.

Na arquibancada, novos conhecidos velhos de internet: Elaine, Sérgio, Alexandre e outros. Uma festa molhada. O clima da arquibancada é diferente, mais gostoso. Estava com saudades.

Ah, meu velho Morumbi...
Os assentos acumulam a água da garoa. Tem um escoadouro, claro, mas ela se acumula assim mesmo. Antes de ficar molhado, sentei e não gostei, é ruim demais, desconfortável. Garoa já transformada em chuva, meus pés flutuam numa lâmina d’água de respeito naquele degrau.

Ah, meu velho Morumbi...
Mais de dez ou doze anos depois, continua rigorosamente igual nesse ponto: o desconforto.

Há progressos, felizmente. A pouco mais de 30 metros de onde estamos tem uma “Estação Vida”, com desfibrilador e dois operadores. Bom, muito bom. Melhor ainda é saber com antecedência onde fica a “Estação”.

Como já não dava para sentar por causa dos assentos molhados pela garoa, todos ficam em pé, milhares e milhares de pessoas. A garoa vira chuva e bota chuva nisso. Respeitável, mesmo não sendo daquelas intensas que nos tiram a visão do gramado. Capitulo à visão permanente do céu cinzento carregado d’água e despejando a dita cuja pra cima da gente. Compro uma “capa”. Cincão! Mas vale a pena, mais por permitir colocar os óculos e não perder nenhum detalhe do jogo.



O jogo - um pouquinho

Um belo, belíssimo jogo do São Paulo. Não em termos históricos ou comparando com outros jogos, nada disso, mas belíssimo porque foi um jogo com muita coisa importante acontecendo e belíssimo, licença poética, como produto da evolução da equipe nessa temporada. O que teve de bom:

- Joilson estreou. Parabéns, você tem futebol para jogar tranqüilo nessa posição.

- Richarlyson reestreou. Que ótimo, estava com saudades do “velho” Ricky.

- Sérgio Motta, o Serginho, começou a dar o ar de sua graça, que espero duradoura.

- Rogério continua Rogério e ainda fez mais um de pênalti. Mas eu quero de falta, Capitão.

- Borges continua marcando.

- Adriano... Sou cada vez mais fã desse cara. Cada vez mais ele é “o cara”.

- Junior agüentou os 90 minutos e com gramado encharcado!

- André Dias, Miranda, Zé Luiz, Hernanes... Mantendo o nível já bom.

Então...

Alvíssaras! Alvíssaras! Alvíssaras!

O São Paulo 2008 nasceu na tarde de hoje no Morumbi.



A rodada do Paulista

Guaratinguetá passou pela pressão e venceu. É o melhor time da 1ª fase.

Palmeiras venceu e é o 2º melhor. E já começou o nhenhenhem por causa do palco dos jogos contra o São Paulo. Ora, por que assinam o regulamento?

A Macaca empatou em Santos.

Teremos Capital x Capital e Interior x Interior e por fim Capital x Interior.

Grande final para esse torneio.

Sim, os estaduais não têm mais razão de ser e sou contra eles, mas já que existem, já que existe o Paulista, é gostoso assistir e torcer.

Pelo que sei todos os jogos começaram no horário, rigorosamente. Não é tão difícil, basta querer.

Cheguei em casa seco, mas com os pés, meias e tênis completamente encharcados.

Com a cabeça fria, o coração quente e um ar de profunda satisfação no rosto.

Isso é futebol e da arquibancada é mais gostoso, apesar da chuva.



Rogério Ceni

1000º jogo pelo São Paulo.

205 no banco como reserva do Zetti.

795 como titular.

Falar o que desse cara e para esse cara?



Mil vezes: Obrigado, Rogério.


.

Marcadores: , ,

6 Comments:

  • At 10:35 PM, Blogger ronaldo derly said…

    quem diria hem sir emerson ou melhor
    o rei do gado comprando ingresso de
    cambista e assistindo jogo na arquiba
    esta eu tenho que contar para o xaru
    to he he he um abraço.

    ronaldo derly

     
  • At 11:34 AM, Blogger Dine Josias said…

    ô sem vergonha...tú é aquele senhor gente boa que estava do lado do Damião ? hahahahah

    conheci meu idolo e nem dei um abraço ?

    putz...que vacilo....

    Abraços

    Dinarte

     
  • At 12:11 PM, Anonymous Oto Jr said…

    Belíssimo texto Emerson!!

    Retrato fiel de uma tarde muito agradável. Espero que tenha sido só o primeiro de muitos jogos que você vai assistir conosco ainda.

    Grande Abraço.

     
  • At 1:13 PM, Blogger Emerson said…

    Você errou, Dine.

    Eu era o cara de barba ao lado do Damião. O senhor que você viu foi o pai do Márcio.

    :o)

     
  • At 3:02 PM, Blogger Rod Molina said…

    Vocês aí em São paulo pagam 20 pratas numa arquibancada, para assitir a um campeonato.

    Nós cariocas, somos sacaneados com uma arquibancada de 40 reais para assistir a um quadrangular.

    Emerson, o comentário do Derly foi engraçado...rrssss...O Rei do Gado comprando ingresso de cambista e assistindo jogo na arquiba...hehehe.

     
  • At 4:35 PM, Blogger Dine Josias said…

    Onde o "senhor" leu LADO substitua por "ATRÁS" hauheuaehuae

    Meu ídolo! Espero que lá esteja no próximo jogo.

    Abs

     

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home