Um Olhar Crônico Esportivo

Um espaço para textos e comentários sobre esportes.

<

domingo, setembro 24, 2006

Poucos gols?



Para não dizer que dois terços do Campeonato Brasileiro de 2006 já foram cumpridos, teremos dois jogos no próximo sábado, transferidos em função do jogo final da Copa Libertadores, cuja data mudou devido à Copa do Mundo.

Tivemos até agora 258 jogos, com um total de 681 gols. Isso nos dá uma média de 2,64 gols por partida, um número 8% maior que a média histórica de gols nos campeonatos por pontos corridos.

Pouco? Muito? Na média?

Estou propenso a acreditar que é um número que está na média histórica. Poderá melhorar um pouco ou cair um pouco nesse terço final que terá início dia 4 de outubro.

Entretanto, há muitas reclamações com relação à qualidade desse torneio, e parte dessas queixas são alicerçadas pelos números dos artilheiros. Souza, centroavante do Goiás, um time que há tempos ronda a zona de rebaixamento, é o artilheiro com apenas 13 gols em 26 rodadas. Exatamente meio gol por jogo. É seguido por Schwenck, Soares e Tuta, com 10 gols cada um. O melhor ataque é do Grêmio com 45 gols em 26 jogos, e a média de 1,7 gol por jogo. Em seguida, vem o São Paulo, com 41 gols em 25 jogos, e a média de 1,64 gol por jogo.

Números interessantes, próximos da média de outros grandes campeonatos similares em duração e número de competidores, como o espanhol e o italiano (não tenho as médias desses torneios, mas a média brasileira, embora próxima, é superior).

Se a artilharia segue a média pela parte de cima, o que dá para depreender dos números é que o campeonato não é tão ruim assim, e que os gols estão sendo marcados por um maior número de jogadores que em anos anteriores.

Até podemos discutir se isso se deve a uma queda na qualidade dos atacantes, ou a uma evolução na concepção de jogo, tirando o papel de marcar gol de um jogador e repassando-o para todo o grupo – caso típico do São Paulo há vários anos – ou, ainda, a uma maior fragilidade das defesas e, finalmente, a uma combinação desses
fatores e outros mais.


O que temos de diferente, sem dúvida, é a ausência de um time-líder comandado por um jogador de grande destaque individual, como tivemos Alex, no Cruzeiro de 2003, Robinho, no Santos de 2004 e Carlitos Tevez, no Corinthians de 2005. O presente líder desde a 12ª rodada, o São Paulo, não apresenta um jogador com essas características tão marcantes e decisivas.

É um time de conjunto.

Talvez possamos dizer que seja um campeonato de conjunto.


Uma coisa, porém, me parece certa: não podemos dizer que o nível técnico do campeonato está baixo. Não com base nesses indicadores.

.

Marcadores:

5 Comments:

  • At 12:13 AM, Anonymous Anônimo said…

    ... pelo que o pessoal fala eu pensava que era menos, bem menos...

    .... esses números sao corretos? de onde voce tirou?


    beto

     
  • At 1:47 AM, Blogger chicodakombi said…

    Foram marcados 681 gols.
    Abraço, Emerson.

     
  • At 8:54 AM, Blogger Emerson said…

    Chico, ontem à noite usei como fonte o UOL. Hoje, depois de ler teu comentário, peguei o Estadão e somei os gols de cada time e o resultado foi 681, como você disse.
    UOL errou. :o)

    Valeu.

    Mas para o texto nada mudou, a média permanece a mesma, por aproximação.

     
  • At 11:50 AM, Anonymous pedro PT said…

    Emerson, peço desculpas por só agora responder. Agradecido pelo mail, só ontem fui lá ver (esqueci-me totalmente de ir ao mail) e pude notar que o seu texto está absolutamente corecto.
    Não que não ache o brible bonito, mas só deve ser feito se se obtiver ganhos para a criação de jogadas de perigo.
    Os argentinos são sempre (desde que eu me lembro de ver futebol) mais objectivos, não perdem tempo com dribles, jogam para a baliza (o gol).
    O drible tem também o efeito negativo que é o de aumentar o individualismo dos jogadores que usam esse tipo de jogada, o que não acontece com os argentinos, pois o passe e corte não permite que 1 jogador fique muito tempo com a bola.
    Mas, em minha opinião, há outro aspecto que prejudica os brasileiros, nomeadamente, o posicionamento defensivo nas bolas paradas. Fazem quese sempre marcação à zona e sofrem bastantes golos nesse tipo de situações.

     
  • At 4:33 AM, Blogger chicodakombi said…

    Sempre que passar aqui vou clicar nos anúncios para o amigo faturar uns caraminguás.

     

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home