Um Olhar Crônico Esportivo

Um espaço para textos e comentários sobre esportes.

<

terça-feira, maio 06, 2008

Problemas à vista

...soluções a prazo?
Só se for a longo prazo.

Está na coluna Painel da Folha de S.Paulo de hoje:

Prato feito. A oposição do Clube dos 13 não gostou do tom da convocação que todos os times receberam para reunião na quinta. Segundo o comunicado, na pauta está a aprovação de decisões da comissão que negocia com a Globo e a assinatura do contrato de TV. Afirma que o correto seria votação do tema.

Rebeldes. Flamengo, São Paulo e Corinthians ameaçam não assinar o contrato. Discordam da cláusula de preferência à Globo na renovação, condenada pela Secretaria de Direito Econômico. A entidade só pode representar comercialmente os clubes que derem o seu aval à entidade.”

Um dirigente de um dos clubes oposicionistas dentro do Clube dos 13, disse a esse blogueiro ontem à noite:

“Eles mandaram simplesmente uma convocatória para assinar o contrato referente à venda dos direitos de transmissão. Não é assim, assunto como esse tem que ser votado antes de mandar todo mundo assinar.”

À oposição formada por São Paulo, Flamengo e Botafogo, pelo menos nessa questão juntaram-se o Corinthians e o Palmeiras, embora essa adesão palmeirense seja vista como passageira.

Esse Olhar Crônico Esportivo, entretanto, não acredita que esses clubes na oposição levem a contestação à frente, exceto no caso do São Paulo. O motivo é simples: todas as outras quatro agremiações já pegaram grandes adiantamentos de suas cotas de TV referentes ao corrente ano. A esse respeito, basta rever o post “A Globo e os adiantamentos”, publicado em 20 de março, onde esse blog conta exatamente isso: todos os grandes clubes já haviam recebido adiantamentos de suas cotas, exceto o São Paulo.

Somente o Corinthians, de acordo com seu documento “Demonstração da Dívida” de 29/2/2008, aponta uma dívida com o Clube dos 13 no valor de R$ 10.472.000,00 que vem a ser o valor que o clube teria a receber da entidade nesse ano – 50% do que receberão seus parceiros de Grupo I (Flamengo, Palmeiras, São Paulo e Vasco).

Pelo visto, o clube do Morumbi estará sozinho, uma vez mais, na luta por novas regras na distribuição da verba dos direitos de transmissão.


.

Marcadores: , , , , , ,

4 Comments:

  • At 1:12 PM, Anonymous Anônimo said…

    Olá Emerson, eu sou o mesmo anônimo que fez comentários sobre as demonstrações financeiras dos Clubes, sempre acompanhei seu Blog, principalmente depois da sua análise sobre a Timemania, cheguei até o seu Blog por meio do Blog do Paulinho, no Blog do Paulinho ele fez críticas a sua análise, que, ao meu ver, a sua opinião estava e está corretíssima no que se refere ao pagamento e correção monetária das dívidas impagáveis dos maiores devedores, mudando agora de assunto, agora é uma pergunta que tenho a lhe fazer sobre a oposição dos times no clube dos treze, li em algum lugar da Internet que eles, os clubes de oposição, na verdade não são contra a renovação automática com a Globo, e sim contra os critérios na divisão das cotas de TV, ou seja, Flamengo e São Paulo reivindicam valores maiores devido as suas torcidas e exposição na maior na mídia, e não como você afirma no texto:"Discordam da cláusula de preferência à Globo na renovação...".


    Ats,

    Guto

     
  • At 6:07 PM, Blogger Emerson said…

    Olá, Guto.


    Bom, primeiro, obrigado pela leitura do OCE.

    Segundo, essa afirmativa quanto ao direito de preferência é da coluna Painel. Eu deveria ter deixado mais claro quando termina a transcrição e começa o meu texto, pois a aspa acaba passando meio despercebida.

    Terceiro: o direito de preferência é meio complicado, sim, mas por conta de uma informação que recebi na noite de ontem e ainda não conferi. Mas, sim, é verdade, começa a haver uma oposição a essa cláusula, ou pelo menos à forma como ela é redigida.

    Quarto: essa informação sobre as vontades da oposição é verdadeira. Eu mesmo a ouvi, mas em off, e respeitei, claro. Tempos depois, o R Perrone divulgou-a.

    A oposição concorda em manter as receitas antigas, ou receitas-base, tal como estão, mas quer que as novas receitas sejam distribuídas a partir de novos parâmetros, principalmente audiência e poder de consumo associado a ela.

    Ou seja, os clubes que estão na oposição querem uma distribuição baseada em critérios técnicos e não políticos, ou, para ser mais exato, mais técnicos e menos políticos.

    Em síntese, é isso. Com essa resposta eu praticamente antecipei um post.

    :o)

     
  • At 6:53 PM, Anonymous Anônimo said…

    Essa nova distribuição das novas receitas por critérios de visibilidades maior na mídia vai criar um abismo ainda maior entre grandes e pequenos, corremos o risco inclusive de nos tornarmos um campeonato Inglês, Italiano ou Espanhol já que poucos irão ficar com muito e muitos com pouco. Temos ainda outro problema no Brasil onde a visibilidade de um clube é imposta pela mídia, quantas vezes assistimos jogos na TV aberta ou fechada que não valia nada, enquanto acontecia um jogo decisivo sem transmissão. Alguns grandes só o são por pura imposição da mídia. O seu São Paulo mesmo é uma demonstração disto, não enche estádio quando o elenco não é bom, como agora, porém, continua sendo transmitido na TV.

    Ats,

    Guto

     
  • At 7:31 PM, Blogger Emerson said…

    Guto, já deu pra perceber o tamanho do imbróglio, né?

    As emissoras guiam-se por motivos comerciais, sem maiores paixões que não a dos números no faturamento.

    Não concordo com tua visão sobre o crescimento de torcidas, a do SP em especial, dar-se por conta da TV.
    Uma torcida cresce porque um clube tem um time vencedor, o que o SP vem tendo de forma consistente desde os anos 70, primeiro em âmbito estadual, depois nacional.

    Quanto à distribuição das verbas, os argumentos da oposição no C13 não são desprezíveis.
    Por isso, essa história vai longe, vai dar muito pano pra manga.

    Abraços

     

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home