Um Olhar Crônico Esportivo

Um espaço para textos e comentários sobre esportes.

<

quarta-feira, agosto 08, 2007

Ronaldo versus Ricardo

Ronaldo é um dos melhores jogadores que já vi em atividade. Mas tem pouco a ver com grandes atacantes do passado, ele é moderno, é do final do século XX e começo do século XXI. Independentemente de seu grande futebol, admiro em Ronaldo sua persistência, seu esforço, sua dedicação para voltar a jogar futebol em alto, altíssimo nível. Ele foi o maior jogador da Copa do Mundo de 2002 disparado. A eleição do goleiro alemão foi patética, não pelos gols tomados de Ronaldo na grande final, mas simplesmente porque é incompreensível que alguém em sã consciência pudesse não votar em Ronaldo como o melhor jogador da Copa. Bom, vá lá, talvez em Rivaldo, quem sabe, mesmo assim...

Falar de seu futebol é desnecessário, seja aqui ou num blog nepalês. Ronaldo é Ronaldo e ponto.

E hoje ele rebateu recentes declarações de Ricardo.

Ricardo? Qual Ricardo?

Ah, é verdade, esse um precisa ser apresentado: Ricardo Teixeira, presidente hereditário e semi-eterno da Confederação Brasileira de Futebol. Esse mesmo que você está pensando.

Pois é... Então, esse Ricardo soltou algumas frases num jantar com jornalistas e jogou sobre os ombros dos jogadores a responsabilidade sobre a campanha vergonhosa na Alemanha em 2006. Frases soltas, insinuações, no names, please. Naturalmente, os holofotes voltaram-se para Ronaldo, até porque o tal Ricardo falou de seu peso.

Então, Ricardo, ou melhor, Dr. Ricardo, que é como os sevandijas costumam tratá-lo, quer dizer que sua fantástica Comissão Técnica, dona de salários inimagináveis para comuns mortais, não tem responsabilidade, é isso? Ora, ora, ora, lá estavam Parreira, Zagallo, Américo Faria, Moracy e mais um monte de gente. A pequenina e simpática Weggis foi transformada num happening, num quase Woodstock da nova era, só que futebolístico. Beldades brasilianas, as mesmas de sempre, circulavam com os seios, os mesmos de sempre, à mostra. O campo era invadido. Ingressos eram vendidos. Dinheiro grosso circulava. Uma grande equipe de vídeo acompanhava a intimidade da seleção minuto a minuto, dividindo o hotel, o refeitório, o banheiro, tudo enfim, todo o tempo, gravando as cenas para o vídeo apoteótico do hexa. E muito mais...

Então, Dr. Ricardo, como dizem seus borra-botas, nada disso tudo influiu, mas o peso do Ronaldo e uma eventual chegada de madrugada num dia de folga foram decisivos para o fracasso?

Ah, por favor, fala sério. Poupe meus ouvidos de tamanha lavoura de abobrinhas.

Já ia esquecendo: uma de suas abóboras foi dizer que a seleção precisa encontrar um “novo Ronaldo” para 2010. Como para bom entendedor meia palavra basta, isso significa que o mui ilustre presidente da cbf descartou Ronaldo na seleção brasileira. Coisa perigosa essa, Ricardo, digo, Dr. Ricardo.

Ronaldo é Ronaldo e eu acredito mais nele do que num burocrata desconhecido e estranho ao mundo do futebol.

Por isso, fico com as palavras que ele disse na Itália:

"Minha volta dependerá também daquele presidente (Ricardo Teixeira) entender que não é sua Seleção. A Seleção Brasileira é do povo que dela tira felicidade e orgulho. Se os torcedores me quiserem, para eles estarei sempre disponível", disse Ronaldo, em declaração reproduzida pela imprensa italiana.”

É isso. Eu fico do lado de Ronaldo.

.

Marcadores:

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home